A entidade quer reduzir o gasto com imagem e aparência dos locais de competição e também na Vila Olímpica

O Comitê Organizador da Olimpíada de Tóquio anunciou nesta quarta-feira (07/10) um processo de simplificação e redução da preparação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que devem gerar uma economia de 30 bilhões de ienes, equivalente a US$ 280 milhões ou cerca de R$ 1,5 bilhão.

Rádio Livre FM 90.7

O corte representa cerca de 2% do orçamento oficial do Comitê, estimado em US$ 12,6 bilhões (R$ 70 bilhões). Uma auditoria realizada no ano passado, contudo, mostrou que o custo real dos Jogos de Tóquio seria o dobro do oficial. De acordo com estudo publicado pela Universidade de Oxford, publicado no mês passado, afirma que a Olimpíada de 2021 será a mais cara da história entre os Jogos de verão.

A pandemia do novo coronavírus agravou a situação financeira do Comitê Organizador. Segundo estimativa do Comitê Olímpico Internacional (COI), o adiamento, deste ano para 2021, anunciado em março, deve acrescentar ao menos US$ 800 milhões (R$ 4,4 bilhões) nos custos da organização.

Diante desta preocupação, o Comitê Organizador decidiu estabelecer medidas para reduzir os gastos. Nesta quarta, anunciou uma lista de 50 medidas de “simplificação”. De forma geral, a entidade quer reduzir o gasto com imagem e aparência dos locais de competição e também na Vila Olímpica; “otimizar” as operações do revezamento da tocha olímpica; estimular patrocinadores e acionistas a enviar equipes menores a Tóquio; e “otimizar” os planos de equipes do próprio Comitê Organizador.

De acordo com a organização dos Jogos, essas são as bases da redução de custos. Mas serão apenas as primeiras decisões. Mais medidas para economizar devem ser anunciadas nas próximas semanas.

Do Mais Esportes

Sites Parceiros

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui