1ª Conferência de Saúde Mental/Foto: Anderson Souza (SECOM)

O tema “Compromisso com o SUS e com a Saúde Mental das Pessoas” foi trabalhado

A cidade de Gravatá realizou, nesta quarta-feira (27), a 1ª Conferência Municipal de Saúde Mental, com o tema “Compromisso com o SUS e com a Saúde Mental das Pessoas”.

O evento aconteceu de forma presencial no Auditório da Secretaria de Educação e propôs diretrizes para a Formulação da Política Municipal de Saúde Mental e o Fortalecimento dos Programas e ações de Saúde Mental que serão trabalhados em Gravatá.

Foram convidados para compor a mesa o prefeito Joselito Gomes, a primeira-dama e secretária de Assistência Social e Juventude, Viviane Facundes, o vice-prefeito e secretário de Turismo, Cultura, Esportes e Lazer, Júnior Darita, a secretária executiva de Saúde, Maria Araújo, a coordenadora de Saúde Mental e presidente da 1ª Conferência de Saúde Mental, Patrícia Silva, o coordenador de Saúde Mental da IV Geres do Governo de Pernambuco, Ítalo Ramon, e representando o segmento dos usuários do CAPS, Rodolfo Hugarte.

Em seguida, houve palestras com a coordenadora de Saúde Mental, Rebecca Brayner, que abordou o tema “Política de Saúde Mental” e com o coordenador de Saúde Mental da IV Geres do Governo de Pernambuco, Ítalo Ramon, que falou sobre “A Política de Saúde Mental como Direito: Pernambuco pela defesa do cuidado em liberdade, rumo a avanços e garantia dos serviços da atenção psicossocial no SUS”.

A expectativa da conferência é que a vivência se torne mobilizadora para que o município tenha seus protagonistas na Etapa Estadual e, quem sabe, até a Nacional, que está prevista para acontecer em novembro. Porém, mais importante do que se fazer presente, é consolidar uma discussão de melhorias para a Rede de Atenção Psicossocial, como o aumento do financiamento dos serviços especializados do CAPS, garantia do cuidado em liberdade, garantia dos princípios do SUS. Entendemos esse espaço como uma oportunidade de fortalecer a RAPS e o cenário atual pós -pandemia.

Na ocasião, foram formados grupos de trabalho para debater temas importantes, além da escolha dos delegados que participarão da 4ª Conferência Estadual/Macrorregional, que será realizada em junho, e da 5ª Conferência Nacional, que acontecerá em novembro.

Marcaram presença neste momento histórico para o município as autoridades municipais como secretários e vereador, equipe do CAPS II, membros do Conselho de Saúde e representantes do Conselho Tutelar.

Patrícia Silva – coordenadora de Saúde Mental e presidente da 1ª Conferência de Saúde Mental

Patrícia Silva, coordenadora de Saúde Mental e presidente da 1ª Conferência de Saúde Mental explica que: “Hoje Gravatá está promovendo a 1ª Conferência de Saúde Mental feita pelos usuários do Centro de Atenção Psicossocial, então esse é um marco muito importante, além dos trabalhadores do SUS, os convidados e, mais ainda, a representação dos usuários desde o início discutindo, debatendo propostas e hoje estamos aqui para levar palestras esclarecedoras sobre as questões do SUS, da luta antimanicomial e da política de Saúde Mental”.

Ítalo Ramon – coordenador de Saúde Mental da IV Geres do Governo de Pernambuco

O coordenador de Saúde Mental da IV Geres do Governo de Pernambuco, Ítalo Ramon, fala sobre esse momento tão importante e histórico: “É de uma grande importância para a saúde mental de toda a população a realização desse encontro, porque dá a possibilidade da população debater, se autoconhecer e propor ações que possam cuidar disso. Por isso que esse momento é tão histórico, tão marcante, porque é a primeira oportunidade em 30 anos do SUS que a população está podendo olhar para si, cuidar de si, cuidar psicologicamente de si. Daí a grande importância da realização desse evento”.

Joselito Gomes – prefeito de Gravatá

Joselito Gomes, prefeito de Gravatá, esteve na 1ª Conferência de Saúde Mental, que é mais um marco para o município: “Em primeiro lugar, dizer que estamos fazendo história. Em segundo lugar, é um momento muito especial de partilha, de formação, de orientação e de olhar o ser humano de uma forma inteira, e não movidos pelo preconceito, mas sim movidos pela acolhida, respeito e pelo reconhecimento que cada pessoa traz em si uma riqueza infinita de capacidade, de dons e talentos. São vários jeitos que devem contribuir para humanizar nossa convivência e nossos relacionamentos. E assim nosso trabalho segue, porque nosso compromisso é com as pessoas”.

Reportagem: Mathilde Souza
Fotos: Anderson Souza (SECOM)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui